COMO ESTÁ SEU PLANO B?

O assunto da reforma previdenciária está entre os mais mencionados nesta nova fase política.

Assunto antigo, complicado de se resolver e longe de gerar consenso, o assunto foi o tema de uma entrevista recente do consultor da Confederação Nacional da Indústria e advogado trabalhista José Eduardo Pastore à CBN.

O ponto central da entrevista foi a discussão em torno da definição da idade mínima para a aposentadoria, cujas referências internacionais apontam para os 65 anos.

O que achei interessante foi a sinalização que ele faz de duas dimensões presentes no assunto: o problema previdenciário e o problema trabalhista – e da “fórmula negativa” que se dá quando esses dois problemas se encontram.

Do lado do problema previdenciário, a conta tem que fechar. Ponto.

Agora, do lado trabalhista, me parece que o endereçamento não é tão objetivo. Segundo o consultor, a partir de 40, 45 anos, o mercado de trabalho já vai ficando mais restrito em algumas áreas, para algumas atividades.  Quer dizer: a pessoa se aposenta com 65 anos, mas a partir da casa 40 anos encontra dificuldades para permanecer no mercado de trabalho.

E de fato é o que vemos em nosso dia-a-dia: pessoas com experiências importantes, com maturidade e plenas condições de contribuir com as empresas, tendo dificuldade em manter-se em seus empregos ou encontrar novas colocações.

Continuando com a entrevista, José Eduardo Pastore coloca dois aspectos importantes para contornar essa questão trabalhista.

O primeiro é a qualificação da mão de obra; segundo ele, “o mercado se fecha para a mão de obra pouco qualificada, e para quem não se preocupou em entender os fenômenos da nova tecnologia”. O profissional então deve sempre se preocupar com sua qualificação, investindo tempo e energia para manter-se atualizado e qualificado.

O segundo ponto diz respeito a possibilidades de atuação profissional: ele ressalta a importância de dedicar-se a desenvolver outras atividades relativas ao “trabalho sem emprego”, como empreendedorismo, atividades autônomas, como exemplo. Eu chamo isso de definir um “plano B”.

Recebemos na Korkes & Cintra Coaching vários clientes para os processos de Coaching que estão na casa dos 40 anos – pouco menos ou pouco mais. Alguns deles repensando as carreiras que construíram até então, outros em fase de transição, buscando novo emprego ou ocupação, e outros olhando para o futuro e preparando novos passos, o plano B.

E é bem diferente a situação daqueles que se antecipam e planejam o futuro, que pensam e constroem pontes para novas atividades “pós trabalho assalariado”, e aqueles que são pegos desprevenidos – tanto financeiramente quanto em termos de planos e expectativas.

E aí, acrescento algumas questões.

De que outra forma, além da relação empregado/empregador, você pode continuar sendo produtivo, contribuindo, exercendo uma atividade que traga rendimentos e que aproveite seus talentos e habilidades, e o faça sentir-se satisfeito e pleno?

Agora, independente de idade, quantos de nós sabemos de fato quais nossos talentos? Você reconhece suas habilidades, seus pontos fortes e aspectos a desenvolver?

Que tipos de atividades o estimulam?

E o que você quer para sua vida, falando pessoal e profissionalmente? Suas metas estão claras?

Você vem construindo uma reserva financeira, uma renda passiva, que lhe permita passar por um período de transição profissional?

Conhecer-se, ter objetivos claros, saber o que quer para sua vida são os ingredientes iniciais para se preparar para o futuro. E então definir seu plano B, e traçar ações para alcançá-lo.

E nunca é cedo demais para começar.

Renata Guimarães Cintra é Coach, sócia na Korkes & Cintra Coaching e membro do ICF – International Coaching Federation.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Utilizamos "cookies" para lhe dar a melhor experiência on-line. Ao concordar, você aceita a utilização de cookies de acordo com nossa política de privacidade.